28 de set de 2014

Lugares Abandonados

source: abandonedography.com
Há algo de controverso em lugares abandonados, eles tem esse poder de nos despertar medo, assombro, repúdio, ao mesmo tempo que nos atrai e nos apaixona.

Nos perguntamos porque e como chegou ao ponto de abandono. Por que ninguém mais quis aquele sofá? Por que alguém abandonaria essa casinha linda? Como aquele carro ficou tanto tempo ali que cresceu uma árvore dentro dele? Como alguém poderia deixar de viver naquele castelo? Por que alguém desistiria de tocar aquele piano?

A primeira vista temos vontade de cuidar, restaurar e fazer com que volte a ser amado e utilizado por alguém. Mas então, pensamos que o fato do abandono em sí é que torna esse lugar misterioso, fascinante, nostálgico, belo. 

Lugares abandonados nos fazem perceber que existe, sim, beleza na degradação, na morte, no fim. 

1 de set de 2013

Especiais

Nessa vida cheia de datas, horas marcadas, entrar e sair, correrias, repetições; de repente, algumas pessoas fazem a diferença.

21 de jun de 2013

O Rumo das Manifestações no Brasil

No início estava indo tudo bem e foi bonito se ver um grupo lutando por seus ideais. Mas conforme a multidão foi aumentando a situação foi mudando e parece já não fazer mais sentido. Mais do que manifestações pacíficas, acho que é necessário manifestações com propósito.

O que estou vendo é simplesmente a nova moda do Brasileiro: manifestar. 
Pode ser pelo ônibus, pela saúde, pela educação, pela moradia, por justiça. O motivo pouco importa, já que pra parecer inteligente é só por a culpa no governo.

O que resulta disso é o que podemos ver cartazes absurdos e ideias radicais como Impeachment e fim dos partidos. De que adiantaria mudar de presidente? Porque não escolheram melhor da última vez que votaram? A triste verdade é a grande maioria do povo Brasileiro não tem cultura política para saber o que precisa ser feito para mudar a situação. Vai na onda de qualquer bobagem que aparece e parece com justiça.

Ficam dizendo que o Brasil acordou, mas tá na cara que ainda é aquele mesmo povo acomodado, fácil de malear, que adora fazer festa e futebol. Pense bem se as manifestações já não passaram a ser APENAS mais um evento do qual os brasileiros vão pras ruas fazer festa, se reunir, se divertir. É a modinha da vez.

Eu não sou contra as manifestações, pelo contrário. Mas é necessário um propósito, senão a situação sai do controle. Uma manifestação é uma coisa séria, não uma desculpa pra você ir pra rua festejar, segurando um cartaz qualquer - quanto mais absurdo melhor - pra ver se alguém filma e assim você aparece na televisão.

Se é para acordar, acorde de verdade.
 Já tem muita gente lutando contra o preconceito, pelos direitos da mulher, pelo meio ambiente, por questões políticas importantíssimas e quando foi que você parou para refletir sobre esses problemas que afetam os outros e não a você? Não estou vendo nessas manifestações as pessoas se unindo e compartilhando dos mesmos propósitos. Cada um cuida do seu umbigo e salve-se quem puder.

Tem que lutar, tem sim. Mas tem que saber fazer a coisa direito. 
Não adianta só IR PRA RUA querendo um Brasil melhor, precisa ser mais específico. Desde a queda da ditadura não é legal que o povo entenda de política, então eles não ensinam mais isso na escola, mas você pode muito bem procurar no google.

27 de jun de 2012

Um prato que se come frio

Sempre achei que vingança era uma atitude divertida e merecida. Mas na prática aprendi que não é bem assim. 

Já tive a chance de por uma pequena vingança em prática e posso dizer que não saiu como eu gostaria. A pessoa merecia e a principio eu fingi que me divertia. Mas então porque eu não sentia aquela sensação de conforto, nem tinha aquele sorriso no rosto que, geralmente os vingadores tem? Do contrário, me sentia inquieta, agitada e com a sensação de que algo estava muito errado.

Mas eu descobri do que a verdadeira vingança se trata: ser feliz. E não estou falando de brigar com o namorado em um dia e, no dia seguinte postar em redes sociais fotos suas tomando um porre na primeira festa que apareceu. Isso tem outro nome: despeito. 

Supere, encontre outra pessoa, outro caminho. E seja feliz. Você nem vai perceber a principio que se sente vingado. Mas um dia você vai acordar e se dar conta que tem um sorriso genuíno no rosto.

Tudo bem, eu aceito que provavelmente tenho um coração mole ao invés do coração de pedra que sempre me acusam de ter. 

20 de jun de 2012

Mudanças


Como saber se o caminho que tomamos é o certo? Na maioria das vezes, não sabemos. Mas ela desconfiou que havia virado uma esquina errada pela primeira vez, no ônibus de volta para casa. “É isso mesmo que eu quero?” foi o pensamento que lhe ocorreu.

Era o que parecia uma oportunidade para crescer, uma chance de mudança. Mas sentia uma saudade imensa de casa, sentia-se sozinha e perdida, como se não pertencesse aquele lugar. Olhava em volta e não via ninguém conhecido. Em compensação todos que via, diferente dela, pareciam se sentir em casa. Quem diria que alguns quilômetros fariam tanta diferença. Invejava aquelas pessoas que eram felizes como ela lembrava de ter sido. 

Tentou fazer o que sempre a fazia se sentir melhor. Colocou os fones de ouvido com as músicas que sempre a inspiravam e tentou observar a paisagem que passava na janela. O sol começava a se pôr  e a luz alaranjada dava uma sensação acolhedora e embelezava qualquer ambiente, mas não conseguiu ver beleza nenhuma. Respirou fundo, fechou os olhos e pensou que tudo ficaria bem, que se acostumaria e que veria novamente aquela beleza nas pequenas coisas em breve, logo que se acostumasse. As mudanças eram assim mesmo. Mas nada mudou. A sensação inquietante continuou ali.

Mais algum tempo passou e ela continuou insistindo e se esforçando para se encaixar. Mas notou que faltava muita coisa e uma das principais era que ela não tinha tempo para ser ela mesma. No fundo, ela sempre teve a teoria de que desempenharia qualquer tarefa, mesmo que massante, se lhe fosse possível ter ao menos um punhado de coisas que ela gostava. Seus livros, suas músicas, sua criatividade, um tempo só seu. Ela olhava a mala cheia desses acessórios que ela tinha levado consigo, na tentativa de se sentir um pouco mais em casa. Nada havia sido mexido, simplesmente não havia tempo.

Chegou um momento em que ela percebeu que precisava decidir o que era mais importante. Maior estabilidade ou mais tempo para perceber aquelas pequenas coisas que ela aprendeu a valorizar? E então, ela escolheu ser feliz com as coisas simples.

7 de out de 2010

Ausência

And I don't know
This could break my heart or save me
Nothing's real
Until you let go completely
So here I go with all my thoughts I've been saving
So here I go with all my fears weighing on me

Quando era mais nova, não entendia quando as pessoas diziam que não conseguam viver sem outra. Sempre pensava “Que bobagem! Se vivia muito bem sozinho antes, poderia muito bem viver sozinho depois”. Hoje eu sei que se vive - ou sobrevive- , mas não é exatamente o que se pode chamar de uma vida boa. Não há satisfação nessa vida, nem felicidade plena. Nada de bom, nada de sorrisos verdadeiros, nenhuma alegria genuína. Só o tempo passando e você executando suas tarefas diárias no modo automático. Tentando achar coisas pra se distrair que nunca funcionam. Nada preenche aquele espaço vazio...

31 de mai de 2010

Seja o passado, passado

Num belo dia, quando tudo vai bem e você nem desconfia, cai uma bomba na sua vidinha cômoda e você perde algo realmente importante.

Como você não sabe como viver sem isso, chega a prometer a si mesmo que vai mover mundos e fundos, inclusive mudar a própria vida pra recuperar.

Você chega até até a elaborar um plano perfeito, mas com o passar do tempo a verdade vence e suas esperanças morrem.

É duro mas você aceita e segue em frente, contudo isso não quer dizer que volta e meia a saudade não vá voltar pra te torturar. Afinal você pode ser esperto o suficiente pra não se torturar emocionalmente, mas não é de ferro.

* Esse texto obviamente tem a ver com este twitt, que só duas pessoas nesse mundo vão entender, mas que qualquer um pode se identificar em várias situações. LOL